Notícias do Governo Federal

SPE divulga estudo sobre as perspectivas de crescimento econômico para 2022

beneficiosnewsgoogle

A Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia (SPE/ME) publicou na quarta-feira (22/9) a Nota Informativa Perspectivas para o crescimento de 2022. O estudo apresenta argumentos que fundamentam as projeções feitas pela Secretaria para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022.

O documento destaca que para projetar o crescimento em 2022 é necessário avaliar qual é o carregamento estatístico que o PIB projetado deste ano proporcionará e apresentar os cenários prováveis de variação trimestral média, para compor o crescimento acumulado em quatro trimestres no próximo ano. Assim, caso a projeção da SPE para 2021 se confirme, o aumento de 5,3% projetado para este ano proporcionará um carrego aproximado de 1,2% para 2022. Considerando um crescimento trimestral médio de 0,5%, o PIB aumentará em 2,4%.

Além do bom carregamento estatístico, o crescimento do investimento privado, maior eficiência alocativa dos fatores de produção, consolidação fiscal, reformas pró-mercado e a retomada do setor de serviços, com a vacinação em massa, também fundamentam a projeção para a retomada econômica do país no próximo ano. 

De acordo com o estudo, para as estimativas do crescimento do PIB abaixo de 1% em 2022, considerando o cenário da SPE, a variação média na margem dos trimestres do próximo ano deve ser de -0,1%, ou seja, espera-se uma queda significativa do PIB em algum trimestre ou uma nova recessão no próximo ano. “Fatos esses difíceis de justificar com base no cenário fiscal atual e na ausência de uma crise hídrica ou de uma piora na pandemia”, aponta o documento da SPE.

Ainda segundo a nota, os riscos existem, mas na ausência de piora desses fatores e dando continuidade no processo de consolidação fiscal e reformas pró-mercado, com os indicadores atuais e o conjunto de informações disponíveis é possível concluir por um crescimento do PIB acima de 2% em 2022.

Com informações do Ministério da Economia

 

To Top